• Astro Kids,  Eventos

    2º AstroPB

    CRONOGRAMA – 2º AstroPB

    Dia 24/10 – Segunda Feira

    Abertura do 2º AstroPB

     Horário: 8:00 – 8:30

    Local: Miniauditório UTFPR

    SEMINÁRIO – FOMENTANDO O ESTUDO E PESQUISA EM ASTRONOMIA

     ATRAVÉS DE MÍDIAS DIGITAIS

    Horário: 8:30 – 8:50

    Local: Miniauditório UTFPR

    Palestrante: Marcos Colla

    PALESTRA –  MANCHAS SOLARES

    Horário: 8:50 – 10:00

    Local: Miniauditório UTFPR

    Palestrante: Tina Andreolla

    Coffee Break (10:00 – 10:30)

    Hall de entrada

    PALESTRA – FOGUETES DIDÁTICOS

    Horário: 10:30 – 11:40

    Local: Miniauditório UTFPR

    Palestrante: Magnun Maciel

    SEMINÁRIO – VÔO ESPACIAL

    Horário: 11:40 – 12:00

    Local: Miniauditório UTFPR

    Palestrante: Gelson Folle

    ALMOÇO

    12:00 – 14:00

    OFICINA – MANCHAS SOLARES E PREVISÕES DE TEMPESTADES SOLARES

    Horário: 14:00 – 15:45

    Sala: V 008

    Coffee Break (15:45 – 16:15)

    P 205

    OFICINA – FOGUETES DIDÁTICOS

    Horário: 16:15 – 18:00

    Sala: P 204

    LANÇAMENTO DE FOGUETES DIDÁTICOS

    Horário: 18:15 – 19:30

    Local: Pista de atletismo da UTFPR

    OBSERVAÇÃO DO CÉU NOTURNO

    Horário: 20:30 – 22:30

    Local: Pista de atletismo da UTFPR

    Se as condições climáticas NÃO permitirem, a atividade será realizada no dia 25

     

    Dia 25/10 – Terça Feira

    PALESTRA –  RÁDIO GALENA

    Horário: 8:30 – 9:40

    Local: Miniauditório UTFPR

    Palestrante: Léo Vitor Peron

    SEMINÁRIO – OBSERVATÓRIO GW2702

    Horário: 9:40 – 10:00

    Local: Miniauditório UTFPR

    Palestrante: Wilson Tatto

    Coffee Break (10:00 – 10:20) Hall de entrada

    SEMINÁRIOS

    Horário: 10:20 – 12:00

    Local: Miniauditório UTFPR

    ASTRONOMIA PARA CRIANÇAS

    Palestrantes:

    Aline Sasso

    Marina Cruz

    ONDAS GRAVITACIONAIS E A NOVA ERA ASTRONÔMICA

    Eduardo Miglioranza

    EXPLORAÇÃO ESPACIAL: AS RIQUEZAS SECRETAS DO UNIVERSO

    Ricardo Pedro

    ALMOÇO 12:00 – 14:00

    OFICINA –  RÁDIO GALENA

    Horário: 14:00 – 15:45

    Sala: P 204

    Coffee Break (15:45 – 16:15) Sala P 205

    OFICINA – STELLARIUM

    Horário: 16:15 – 18:00

    Sala: V 103

     

    Contato:

    GEAstro – Grupo de Estudo, pesquisa, extensão e inovação em Astronomia

    Coordenadora: Tina Andreolla

    Telefone: (46) 3220 2602

    Email: geastro-pb@utfpr.edu.br

    Site: http://www.pb.utfpr.edu.br/geastro/

    Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100008498792855&fref=ts

     

  • Notícias,  Sem categoria

    Sputnik 1, o primeiro da era espacial

    Sputnik_01
    Ahhhhh a doce maravilha das telecomunicações, conversar com alguém que mora do outro lado do mundo, nunca mais se perder em uma estrada, assistir ao lançamento simultâneo de um filme em qualquer local do planeta. Estes são alguns dos benefícios da utilização de satélites artificiais, contudo, nem sempre foi assim para nós. A história da utilização de satélites artificiais é bem recente, teve início em 1957, mais precisamente às 22:28 hs do dia 04 de outubro, quando a Rússia (até então era U.R.S.S.) lançou o primeiro satélite artificial da humanidade, o SPUTNIK 1.

    Réplica do Sputnik 1 exibida no Cosmonautics Space Museum Moscow
    Réplica do Sputnik 1 exibida no Cosmonautics Space Museum Moscow

    Lançado pelo foguete modelo R-7, o Sputnik 1 foi o primeiro lançamento oficial do programa Sputnik que era voltado para o desenvolvimento aeroespacial da antiga U.R.S.S. Era formado por um par de semiesferas ligadas uma à outra por 36 parafusos, constituindo uma massa total de 83,6 KG. O interior do satélite era pressurizado com nitrogênio, e alocava um emissor de rádio com frequência de 20 a 40 Mhz, que emitiam um sinal de “beeep” captado por qualquer receptor de rádio amador na Terra, durante os 22 dias em que se manteve operante.
    Com o estudo desses sinais foi possível identificar as mais altas camadas da atmosfera, ajudando a compreender a distribuição de sinais de rádio na ionosfera. Após três meses em orbita e quase 60 milhões de quilômetros viajados, o satélite retornou para casa queimando na atmosfera em 4 de Janeiro de 1958.

    Mensuração dos sinais emitidos pelo Sputnik 1, captados pela base de pesquisas Russa, na Antartida
    Mensuração dos sinais emitidos pelo Sputnik 1, captados pela base de pesquisas Russa, na Antartida

    O sucesso da missão Sputnik foi tão grande que repercutiu mundialmente, criando um mal estar nas estruturas políticas norte-americanas (devido às tensões da guerra fria) o que culminou na corrida espacial, em por consequência a chegada da missão Apolo à lua.
    Sem dúvida o Sputnik 1 será sempre lembrado como um marco na história da humanidade, o momento em que a inventividade e engenhosidade humana, superaram os limites da Terra, abrindo uma colossal fronteira de pesquisas cientificas, iniciando assim a era espacial.

  • Sem categoria

    Lixo Espacial

    Os detritos provenientes dos objetos lançados pelo homem no espaço, que circulam ao redor da Terra a cerca de 28 000 quilômetros por hora, constituem o que se chama lixo espacial.

    São estágios completos de foguetes, satélites desativados, tanques de combustível e fragmentos de apilrelhos que explodiram. Desde o lançamento do primeiro satélite artificial pelos soviéticos – o Sputinik – em 4 de outubro de 1957, cerca de 18 mil objetos foram colocados em órbita.

    Até recentemente contavam-se 10 mil objetos de grande ou médio porte e outros 40 mil de pequenas dimensões. O mais preocupante é que apenas uns 7 mil são maiores do que 20 centímetros. Abaixo desse tamanho, eles se tornam praticamente invisíveis, pois não são percebidos nas telas dos radares. Até agora, a maior parte dos acidentes com naves, satélites ou astronautas foi provocada por fragmentos oriundos da atividade espacial pacífica. Mas com o início dos testes com armas anti-satélites e do programa Guerra nas Estrelas, dos Estados Unidos, o problema do lixo espacial vem se agravando de forma assustadora.

     

    forec_40933U

     

    O mapa acima mostra a possível localização da reentrada do lixo espacial LEMUR-2-CHRIS(40933U), previsto por modelagem de evolução orbital até que o satélite ou fragmento atinja a altura nominal de ruptura.

    De acordo com a previsão, a reentrada do objeto ocorrerá Sábado, 08 Out 2016 as 08:16 UTC, acima das coordenadas mostradas no mapa.

     


    Fonte:

    http://www.satview.org/spacejunk.php?lang=br

    http://super.abril.com.br/tecnologia/os-perigos-do-lixo-espacial