• Atividade Solar,  Galeria

    Observação do Eclipse Solar

    Astrônomos amadores, amantes dos céus e curiosos da maior parte do Brasil puderam observar neste domingo (26/02) o tão aguardado eclipse solar anular. Diferentemente de um eclipse total, neste tipo de evento apenas uma parte do Sol é coberta pela Lua (a parte central), formando, desse modo, um belíssimo anel de luz, como na imagem abaixo.

     

    Eclipse solar anular completo. (Twitter/@jmrozada)

     

    Entretanto, desta vez, nós, brasileiros, só pudemos contemplar o fenômeno parcialmente, já que o anel completo só foi visualizado bem mais ao sul do continente (na região da Patagônia, na Argentina) e numa pequena parcela do sul da África. Assim, desavisados podem nem mesmo ter notado o fascinante fenômeno.

    O GEAstro, como sempre, ficou ligado e registrou o eclipse não apenas do modo convencional (adaptando uma câmera aos telescópios) mas também por meio de projeções: um telescópio foi mirado para o Sol e o foco do equipamento ajustado para que a imagem ao invés de ser vista na ocular (o que nunca deve ser feito sem um filtro adequado) fosse projetada em uma parede próxima.

    Confira abaixo algumas das fotos do eclipse feitas pelo GEAstro:

     

    Os horários das observações acima se referem à cidade de São Lourenço do Oeste – SC.

  • Notícias,  O Grupo

    AstroFotografia – Por onde começar ?

    A Astrofotografia consiste na captura de imagens de corpos celestes.

    Tal modalidade de registro de imagens só foi possível a partir do século XIX em que os avanços tecnológicos permitiram um grande detalhamento de corpos extensos como a Lua, o Sol e planetas, também revelando objetos invisíveis aos olhos humanos como galáxias e nebulosas através de técnicas de longa exposição onde o sensores digitais tem a capacidade de acumular fótons de luz por um determinado tempo, revolucionando as pesquisas astronômicas.

    Com a modernização constante das câmeras fotográficas digitais, esta cada vez mais acessível a obtenção de belos registro de um céu estrelado.

    Deve se estar atento a algumas funcionalidades na hora de adquirir uma câmera para Astrofotografia.

    A capacidade de controlar a velocidade do obturador é indispensável, pois isso é um grande fator na hora de definir o detalhamento das imagens onde se programa o tempo que a máquina vai ter para receber a luz advinda do céu noturno por exemplo.

    Um suporte ou tripé para fixar o equipamento é obrigatório para evitar ruídos e deformações na imagem.

    A ISO de uma câmera de modo genérico é a sensibilidade dos sensores à luz.

    Em ambientes bem iluminados a ISO deve ser menor (e a qualidade da fotografia é superior), ao contrário, em ambientes com pouca luz, a câmera deve ter um ISO alto para conseguir receber luz corretamente ( isso torna a qualidade da foto será menor, pois ganha granulação ou ruído), podendo ser corrigido com softwares de tratamento de imagens.

    Para fotos do céu noturno é recomendável um ambiente extremamente escuro e longe da poluição luminosa das cidades. Assim uma ISO  de 100  já é suficiente para registrar a grande parte das estrelas visíveis.

    Na YouTube encontramos vários videos com dicas e tutoriais, mostrando várias funcionalidades de câmeras digitais específicas, dicas para o melhor lugar e aplicativos de celular que podem servir de grandes aliados na hora de obter um belo registro do céu:

    • Apps para Astrofotografia

    • Noções de Astrofotografia


    Fontes:

    http://www.astronomoamador.net/2010/astrofotografia-simples

    https://andolfato.blogspot.com.br/2013/04/dicas-basicas-para-quem-quer-comecar-na.html

    https://www.youtube.com/